Páginas

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Do Fundo do Gavetão # 3: À Espera do Amanhã - Jessica Steele



Olá pessoal!!

Mais um post diretamente do fundo do gavetão, rs. E desta vez temos:


Resultado de imagem para à espera do amanhã jessica steele


À ESPERA DO AMANHÃ - Jessica Steele

Especial Grandes Autoras nº 16
Nova Cultural

Tudo é possível para quem sabe esperar...
Josy Fereday não estava interessada em um novo casamento. Viúva morava junto com a irmã recém-casada. Mas a última coisa que desejava era atrapalhar a vida dela. Foi então que Dacre lhe ofereceu a solução perfeita: um emprego e um lugar onde morar. Também a pediu em casamento, mas isso Josy nem sequer sonhava aceitar... Dacre Banchereau era um homem paciente. Pedira Josy em casamento e estava disposto a esperar até que a mulher de seus sonhos estivesse pronta para se casar, ou acabasse se apaixonando por ele...



Aiai... aiai... sim, não consigo parar de suspirar só de lembrar desse livrinho, rsrs.

E se você está com aquela vontade de ler aquele livro bem hot, bem... já aviso que isso você não vai encontrar muito nos livros dessa autora.

E mesmo não sendo muito especialista em livro hot, eu sempre gostei muito dos livros da Jessica Steele, simplesmente porque acho que as histórias dela são a definição de livro "florzinha". São histórias bem "inhas" mesmo, no sentido de serem histórias lindas, suaves, doces, açucaradas, super românticas, que tocam fundo o coração e deixam a gente com aquele ar besta apaixonado e suspirando sem parar (aiaiai... desculpem, não dá pra evitar, rs). As mocinhas não são tão bestas e os mocinhos são firmes sem serem tão ogros. São sempre regados a mal entendidos e falta de comunicação, mas as histórias são bem amarradinhas pra não te dar aquela sensação de perda de tempo gigante. Além de ser um ótimo "detox literário" pra qualquer porcaria que se contra por aí, rs.

Sempre que estou com vontade de dar um tempo em leituras do estilo "nunca gozei com ninguém como gozo com você" (o que, convenhamos, estamos encontrando demaaaaissss por aí...) eu saio correndo pro gavetão pra procurar um romance da Jessica Steele, e sempre termino suspirando pelos cantos, rs.

E é exatamente esse ânimo de suspiros, doçura e romantismo que você vai encontrar nesse livrinho. Li a um tempo atrás e sempre volto a reler, tamanha é a minha adoração por essa história. 

A mocinha da história é Josy, que teve uma vida bem difícil ao lado do pai controlador e tendo como único apoio sua irmã gêmea. Ela é uma jovem viúva - teve um casamento bem rápido e pra completar o quadro "tragédias da minha vida", o casamento não foi aquele mar de rosas coloridas. Em resumo: temos aqui, desta vez, uma MOCINHA com traumas do passado. E esses traumas vão sendo explicados ao longo da história, fazendo a gente entender as atitudes da mocinha para com o mocinho.

Aí a Josy, pra ver se consegue fugir do pai autoritário e pra dar uma aliviada na vida da irmã, que é recém casada e com quem passou a morar depois da morte do marido, resolve aceitar a proposta - aparentemente decente - do mocinho da  história, que aliás, é primo do falecido marido, e que se chama Dacre Banchereau. Lindo, rico, TDB, enfim, tudo o que um mocinho de romance deve ser,rsrsrs. Sim, o nome do cara é Dacre. Sim, é meio esquisito. Mas vamos dar um desconto aqui, OK? O cara é francês e lá por aquelas bandas a gente acha esses nomes diferenciados,né? rsrs.

Aliás, vamos abrir um parêntese para esse Dacre. Ô HOMI!! Um desses assim, como diria minha amiga Adriboa, só no ppppaaaaapppeeeeellll mesmo, infelizmente, rs.

Ok, parando de sonhar e voltando a história: o Dacre, faz uma proposta para a mocinha ir para a propriedade dele no interior da França para cuidar dos seus cavalos, já que a Josy tem adoração por este animal e sabe lidar com eles muito bem. Só que, é claro, que por trás dessa proposta há intenções ocultas e veladas, rs. A verdade verdadeira - e isso nem é spoiler porque já está até na sinopse - é que ele tinha se apaixonado pela Josy logo que a conheceu, mas como ela escolheu o primo e acabou se casando com ele o pobre acabou guardando o sentimento para si. Então, depois da morte do primo, ele deixa a mocinha guardar o luto por um tempo, depois decide que quer conquistar o amor dela e faz de tudo para conseguir. Ele quer a mulher e vai atrás, sem desistir nem um segundo.

E o que mais me encantou nesse livro são as atitudes do mocinho. Ele não usa aquelas típicas táticas ogrísticas à lá Lynne Graham ou Diana Palmer, graças aos deuses literários! Pelo contrário, o cara é fino, cavalheiro, e vamos combinar sério: tem uma paciência de Jó com ela, além de um super autocontrole. Afinal, com mocinha traumatizada tem que ir com calma. E as coisas pelas quais a Josy passou não foram brincadeira, que não posso falar aqui senão tira um pouco o suspense do negócio, rs. O Dacre usa sempre de delicadeza, sem pressionar, sem coagir, sem fazer chantagem, sem ameaçar, apesar de ser firme quando quer. Até utiliza de umas táticas bem engraçadas quando o assunto é proteger o seu interesse, que você até perdoa e acaba dando umas boas risadas, rs.

Só pra vocês terem uma ideia da paciência do homi, depois de ter aceitado a proposta, a mocinha leva SEIS MESES pra finalmente ir até propriedade do mocinho pra começar o trabalho. Ela passa por um monte de problemas com o pai, que na verdade era mais chantagem emocional pra não deixar ela ir, aí ela foi ficando. E em todo esse tempo ele não esbravejou, não gritou, não bateu o pé, não deu piti, não inventou tragédia, não forçou. Ele esperou. Não desistiu, e sim esperou. Simplesmente isso: o homi esperou bonitinho até ela estar pronta pra ir. Só aí o cara já ganhou milhares de pontos extras na minhas escala de "hominhos de papel top das galáxias", rs.

E essa parte é só no começo do livro. Dali pro final tem muuitas partes lindas e românticas que te fazem suspirar cada vez mais forte e mais alto por esse mocinho maravilha. E a mocinha também não fica atrás, gostei muito dela, pois apesar de todos os traumas e de estar finalmente se libertado das rédeas do pai e do casulo da irmã, mesmo ainda estando se descobrindo e querendo saber o que quer, não é uma besta aparvalhada que só faz cag*da o livro inteiro. Sofreu sim, tem algumas questões psicológicas pra resolver sim, mas decide seguir em frente, resolve se encontrar e ser feliz. 

Mas não tem como colocar como ponto alto desse livro o mocinho. Ele é uma coisa de outro mundo. Sim, claro, do mundo do papel, porque homi como esse... acho que nem procurando com lupa da NASA a gente acha, rsrs. Só pra você sentir o naipe do cara, olha só esse pequeno diálogo entre ele e a mocinha, logo depois dela relatar pra ele o tal "trauma":

 Então, sabe que não posso me casar com você nem com nenhum outro homem! — declarou Josy, ficando de pé. — O problema não era apenas com Mare, mas comigo também!

Dacre ficou de pé, demonstrando uma calma que a deixou ainda mais aturdida.

Josy desejou poder saber o que ele estava pensando. Por outro lado, logo desistiu da idéia, pois era a segunda vez que dizia "não" para Dacre, e tudo o que ele fez foi sorrir com charme e responder:

 Eu esperarei.

Ooooowwwwnnnnnnn, que lindo!!! É ou não é pra amar??? rs. 

Enfim, recomendo muito esse livro, especialmente pra quem quer variar um pouco, pois mocinho com paciência como esse aí é uma raridade nos florzinhas, não é? rs. Mas já aviso que a leitura pode causar suspiros extremos, overdose de doçura e uma ressaca literária braba... pois mocinho como esse, infelizmente não tem muito por aí em nosso mundinho literário não... aiai (tá vendo? Olha aí o suspiro de novo! rs).

Beijos e até,

Gisele

P.S.: Nessa época a Nova Cultural estava com aquela mania tresloucada de trocar os nomes dos mocinhos de um livro para o outro. Nesse aqui, o nome da irmã é Belvia e do marido é Latham. No outro livro, que conta a história deles dois - Um Amor Milionário - os nomes mudam para Avena e Nyall. Sinceramente, nem sei por que faziam isso... era verdadeiro pesadelo para acompanhar séries desse jeito.

2 comentários:

  1. Depois de ler sua resenha, fiquei super interessada de ler o livro. Obrigada pela dica.

    ResponderExcluir
  2. Não sei colocar meu nome como a Eliana ai acima, sou Beth Bernardo, parabéns para A Pequena Prateleira e para mim também, fazemos aniversário juntinhas. O Blog está lindo, é fácil chegar nos 3 tracinhos - estão no primeiro livro. Apesar de as autoras serem também, as vezes, maluquinhas e trocarem o nome dos protagonistas e não deixo de amar as séries. Um bom final de semana.

    ResponderExcluir